FFEE del Brasil
El Mayor Almeida perteneció a las Fuerzas Especiales del Exército Brasileiro.

www.fuerzasmilitares.org (30DIC2016).- Tuvimos la oportunidad de entrevistar al Mayor (r) del Exército Brasileiro Vitor Hugo Almeida, quien además de haber tenido una destacada carrera militar, que incluye misiones en el extranjero bajo bandera de la ONU, es ahora consultor legislativo da Câmara dos Deputados en el Congresso Nacional Brasileiro. Es un personaje que ha gravitado los centros de poder de la potencia regional que es Brasil, por ello posee una visión amplia de la realidad de seguridad y defensa de su país y del mundo. 

Por desgracia para nosotros (que queremos deleitarnos en los detalles y quizá conocer algunas infidencias) también posee la prudencia y la finura de un diplomático. Esta es su primera intervención en este website. Nos ha prometido escribir algunos artículos sobre temas de defensa e historia militar que nos enviará para su publicación, lo cual para nosotros será un verdadero honor. 

Esta es la entrevista al Mayor (r) Almeida del Exército Brasileiro.

¿Entre todas sus opciones, por qué decidió ser militar?

Escolhi ser militar porque quería ser soldado. Queria, em caso de guerra, estar entre aqueles que fariam maiores sacrificios pelo País. Tive, claro, grande influência do meu pai, que era oficial da Marinha, e do meu irmão, oficial do Exército.

¿Cuál es su especialidad militar, y por qué la escogió?

Eu fui para a Arma de Infantaria e, depois, para as Forças Especiais. As duas escolhas têm a ver com a proximidade dos treinamentos reais e, no combate, com a definição das batalhas principais. Fiz também os cursos de paraquedista, mestre de salto, salto livre, mestre de salto livre, observador militar, entre outros.

¿Cuándo estudió para ser abogado?

Estudei ao longo dos meus últimos anos no Exército. Estudava à noite, depois do expediente de trabalho numa universidade federal, na qual ingressei por vestibular, concurso intelectual. Estudei por 7 anos, tendo trancado matrícula por dois anos, em virtude de duas missões no exterior (Costa do Marfim e Estados Unidos). Estudar Direito foi uma experiencia excepcional, mas extremamente desgastante e sacrificante, porque eu servia na unidade do Exército mais operacional durante o dia e parte da noite e na outra parte da noite, ia à faculdade. Foi um bom desafio e uma excelente conquista o término da faculdade.

¿Cuál es la experiencia que más recuerda de su vida militar?

O comando do Destacamento Contraterrorismo do Exército.

Cuando tuvo a su cargo hombres, armas y recursos, ¿Cuáles eran sus principales preocupaciones?

Que ninguém morresse e que todos voltassem em segurança e íntegros.

¿A qué se dedica actualmente en el terreno profesional?

Hoje, sou Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados, uma das Casas Legislativas do Congresso Nacional Brasileiro. Minha área é a de segurança pública e defesa nacional. Nosso papel é assessorar os Parlamentares e as Comissões que eles compõem com vistas ao enriquecimento do processo legislativo, propondo ideias, minutando proposições legislativas, realizando estudos, entre outras atribuições.

¿Cómo llegó a ser asesor legislativo en la Cámara de Diputados?

Existe um exame nacional, concurso público de provas e de títulos, para que se possa ser Consultor Legislativo. No meu caso, havia uma única vaga do País para a minha área e, com a ajuda de Deus, conquistei-a em 2014.

¿Qué trabajos ha realizado fuera de Brasil, como militar o en su cargo actual?

Participei, como militar, de exercícios, cursos, operações de paz, adestramentos, planejamentos…as principais missões foram a segurança da Embaixada do Brasil em Abdjan, a missão de observador militar da ONU na Costa do Marfim e o curso de aperfeiçoamento nos EUA.

¿Cómo fue su experiencia en Costa de Marfil como Observador de la ONU?

Foi excepcional. Tive contato com outras culturas, dos meus colegas observadores e da população local. Trabalhar na ONU também foi um desafio e uma oportunidade de aprendizado muito interessante. Eu fazia patrulhas, colhia informações, realizaba planejamentos e briefings…foi um ótimo tempo.

¿Cuáles son las misiones típicas de un Observador de la ONU?

O observador militar são os olhos do Comandante da Força Militar no terreno. Seu papel principal é realizar patrulhas para colher informações que possibilitem ao Comandante a condução correta de suas operações. Ainda, fiscalizamos o cumprimento das imposições de embargos de armas e de munições, entre outras missões.

Por favor, ¿puede darnos su opinión sobre el actual proceso de paz que adelanta el Gobierno Colombiano con el grupo FARC?

Torço, verdadeiramente, para que o Povo Colombiano, irmão nosso, chegue à melhor solução em direção à Paz definitiva.

¿Cómo se beneficiará la región con la paz en Colombia?

Creio que a Paz na Colômbia implicará maior integração regional, gerando melhores intercâmbios econômicos e culturais, em especial, entre todos os países da América do Sul.

¿Cuáles son las principales amenazas que en el terreno geopolítico afectan a Brasil?

Essas ameaças atuais têm caráter muito difuso. Temos amizades históricas com nossos vizinhos e não possuímos inimigos declarados em outras regiões. Daí o fato de não focarmos muito em ameaças, mas em capacidades. A intenção é que nossas Forças disponham de capacidades que nos permitam defender nossos interesses, população e riquezas.

¿Cuáles diría usted son los principales problemas internos que debe enfrentar Brasil?

Hoje, imagino, o principal problema seja a questão econômica, com foco no equilíbrio das contas públicas e com reflexos na área social. A questão da segurança pública também é um problema muito grave, que merece atenção redobrada dos planejadores.

 

(Douglas Hernández, Medellín)